Saúde e segurança

Saúde e segurança

Gestão da saúde e segurança

GRI 102-11, 403-1, 403-2

A segurança é um valor da MRS e, ao longo dos anos, a companhia vem colhendo resultados cada vez melhores. A MRS conta com práticas, que consistem na identificação, avaliação e controle dos riscos inerentes às atividades de seus colaboradores, cujo objetivo é promover a saúde e segurança de todos, através da redução de desvios, incidentes, acidentes e doenças ocupacionais. Para nortear essas práticas, a companhia se apoia em um modelo de gestão de segurança, pautado na ISO 45001.

Planejamento

Tem a finalidade de identificar os perigos que envolvem as atividades produtivas próprias e terceirizadas, avaliar os riscos inerentes, determinar medidas de controle e traçar objetivos. Nessa etapa, é feita a avaliação e controle de riscos, mapeamentos de requisitos legais, desdobramento dos objetivos dos programas de prevenção, definição de diretrizes e das metas de segurança corporativas e criação de programas e ferramentas de segurança. Alguns deles são:

  • CRP (Comunicado de Riscos e Perdas): ferramenta de prevenção a partir da identificação, comunicação e tratamento de potenciais riscos de perda relacionados a processos, pessoas ou ambiente, que permite resolver diferentes problemas e realizar ações apropriadas, criando um ambiente de trabalho favorável e auxiliando na redução de incidentes e acidentes. O registro do comunicado é feito pelos colaboradores em um sistema a que todos têm acesso. Em 2019, foram registrados mais de 13.000 CRP’s.
  • APR (Análise Preliminar de Riscos): busca analisar os riscos antes do início da atividade, identificando e sinalizando as medidas de controle que deverão ser tomadas durante o trabalho para garantir a segurança.
  • RDS/RDA (Registro de Desvio de Segurança/Registro de Desvio Ambiental): trata-se da identificação e registro de desvios, atos ou condições inseguras que possam gerar situações de risco, ou situações inadequadas que, se não tratadas, podem causar impacto ambiental ou implicações jurídicas para a companhia.
  • Programa de Observação de Tarefas: programa de auditorias comportamentais voltado para o controle de riscos por falhas operacionais e humanas. É uma ferramenta de prevenção com foco na identificação de desvios de conduta de segurança na execução de atividades que possuem procedimento.
  • Farol de Riscos: ferramenta de gestão, cujo objetivo é estabelecer o índice de riscos à segurança de cada área participante do programa e fornecer insumos para o corpo gestor da companhia atuar na mitigação desses riscos, através de indicadores preestabelecidos e de acordo com o processo-chave de cada área.

1 Identificação de perigos, avaliação de riscos e determinação de controles

2 Mapeamento dos requisitos legais

3 Desdobramento dos objetivos e programas de saúde e segurança

Implementação

A etapa de implementação e operação consiste na definição da estrutura de gestão de segurança da companhia, atribuição das responsabilidades às áreas e colaboradores, disponibilização de treinamentos e campanhas para conscientizá-los sobre o tema, além da elaboração de documentos e controles de programas, como:

  • Programa de Segurança em Terminais (PST): visa assegurar condições ideais do desempenho operacional dos terminais de clientes, mitigando riscos de acidentes ferroviários, principalmente com causa deficiência na linha ou falha operacional.
  • Programa de Segurança na Malha (PSM): visa garantir condições ideais do estado de conservação da via permanente, auxiliando no planejamento e controle de retirada de anomalias encontradas nos pátios críticos da MRS. O objetivo é assegurar as condições adequadas de operação e segurança, contribuindo para a redução de acidentes e confiabilidade da operação ferroviária.

Quantidade de acidentes e anomalias registradas

Nota: em 2018, o programa passou a adotar critérios mais rígidos, realizando o controle de inspeções e anomalias por linha, de forma individual. A revisão possibilitou um número maior de inspeções em pontos críticos. Com isso, foram identificadas mais anomalias e, consequentemente, mais pontos de vulnerabilidade foram tratados, resultando em uma redução do número de acidentes ferroviários em pátios, com causa via permanente.

1 Estrutura de gestão e suporte à segurança

2 Competência, treinamento e conscientização dos colaboradores

3 Comunicação participativa

4 Política de Saúde e Segurança

5 Controle de documentos

6 Controle da manutenção e Operação ferroviária

7 Prontidão e resposta às emergências

Verificação e Ação Corretiva

A MRS monitora o desempenho, os procedimentos e as responsabilidades para o tratamento e investigação de incidentes, acidentes e demais não conformidades. Além disso, são acompanhadas as metas de segurança pactuadas com a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), as metas corporativas e realizadas inspeções para verificar e corrigir processos atrelados aos requisitos legais. A cada ocorrência identificada são elaborados planos de ação para corrigir desvios e buscar a melhoria contínua.

Em 2019, a MRS reformulou o seu processo de investigação de incidentes/acidentes, com apoio de uma consultoria externa. As ocorrências são segregadas em dois grupos: “críticas” e “não críticas” de acordo com a potencialidade do evento. A partir dessa divisão, são aplicadas metodologias distintas, possibilitando dedicar mais tempo e atenção àquelas de maior impacto ao negócio da companhia e, principalmente, à saúde do colaborador. Em 2020, o trabalho seguirá explorando oportunidades na ferramenta DDS (Diálogo Diário de Segurança), importante para reforçar o comportamento seguro por parte do colaborador, no início de suas atividades.

1 Monitoramento e medição de desempenho

2 Avaliação de conformidade e atendimentos aos requisitos legais

3 Investigação de incidentes a acidentes

4 Auditoria Interna: Índice de Vida e Programa de Observação das Tarefas