Desempenho Operacional e financeiro

Desempenho operacional e financeiro

Desempenho operacional

O ano de 2019 se consolidou como um período singular para a MRS. A companhia encerrou o período com 146,9 milhões de toneladas transportadas, registrando uma queda de 15,9% em relação ao ano anterior. Esse declínio pode ser explicado pela queda da barragem em Brumadinho (MG), no começo do ano, e seus desdobramentos. Entretanto, houve um aumento de 6,9% no volume da Carga Geral, que, pela primeira vez, atingiu o percentual de 40,4% de participação no mix transportado, compensando levemente a retração no transporte de minério de ferro, em linha com a estratégia de diversificação da carga transportada.

O transit time do minério de ferro, indicador que calcula o tempo de transporte (da origem até o destino) da principal carga da companhia, atingiu 19,08 horas, melhor resultado em toda a série histórica. Na comparação com 2018, o indicador teve evolução de 2%, como reflexo dos investimentos realizados nos últimos anos, tais como aquisição das locomotivas GE AC-44 e do sistema CBTC (clique aqui para saber mais), que torna a operação mais produtiva e mais segura.

Reforçando a importância de um bom desempenho nos indicadores de segurança, a meta de acidentes firmada com a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) foi cumprida, ficando 5,48% abaixo do que havia sido definido para 2019 – veja mais em Resultados de segurança operacional.

Oficina Modelo da MRS garante qualidade de manutenção e segurança operacional e pessoal

A MRS, através da Diretoria de Engenharia e Manutenção, desde 2012, adota como referência um padrão de qualidade de instalações e de processos, que são conceitos avaliados nos padrões da aeronáutica.

O processo auditoria Oficina Modelo engloba requisitos que possuem o objetivo de garantir a qualidade no processo de manutenção, incluindo a segurança pessoal e operacional. O programa inclui áreas da malha também, pois se trata de conceitos de manutenção.

Alguns conceitos foram disseminados nas áreas de manutenção e hoje procedimentos já são implantados. O processo de auditoria é feito através de auditorias, com a avaliação de 8 principais temas:

  • Identificação de área
  • Condições físicas
  • Condições de ferramentas e equipamentos
  • Materiais (armazenamento e controle)
  • Literatura técnica (procedimentos, manuais etc.)
  • Registro de manutenção (físico e sistema)
  • Conhecimento técnico
  • Meio ambiente

Esse conceito trouxe melhorias que hoje estão implantadas na Manutenção, como: calibração de instrumentos, armazenamento e utilização de documentação técnica, qualidade dos registros da manutenção, padrão de armazenamento e acondicionamento de materiais.

Volume transportado

A MRS encerrou 2019 com 146,9 milhões de toneladas transportadas, queda de 16% na comparação com o ano anterior – que havia registrado o volume recorde transportado pela companhia. Apesar das ações de eficiência e estratégia implementadas para aumentar o volume de carga transportada em 2019, o total geral foi impactado pela queda do segmento de Mineração, afetado por fatores não recorrentes. A redução na carga transportada foi consequência, principalmente, dos desdobramentos do rompimento da barragem localizada em Brumadinho (MG). Como consequência, outras minas atendidas pela MRS foram impactadas e o terminal de carregamento do Córrego do Feijão foi coberto por rejeitos, tendo as atividades suspensas.

Em 2019, a Carga Geral continuou apresentando crescimento na participação no mix transportado, em linha com a estratégia de diversificação da carga transportada pela companhia, alcançando 59,4 milhões de toneladas transportadas, novo patamar de recorde para a categoria.

Volume global
(milhões de toneladas)

Nota: Ano recorde de transporte na MRS.

Carga geral*
(milhões de toneladas)

Nota: Considera volume de outras ferrovias.

Mineração
(milhões de toneladas)

Tipo de carga (milhares de toneladas)201720182019
Carga geral50.94655.57059.402
Mineração120.026118.99387.464
Total geral170.972174.563
146.866

Principais produtos transportados

Tipo de carga (TU milhares)*201720182019
Mineração120.026118.99387.464
   Minério de ferro - exportação101.819101.34274.130
   Minério de ferro - consumo interno15.04814.60511.034
   Carvão e coque3.1593.0452.301
Carga geral50.94255.57059.402
   Produtos agrícolas35.32737.18038.538
   Produtos siderúrgicos6.2086.8127.089
   Contêineres1.8411.9832.406
   Construção civil1.5611.6892.049
   Outros6.0057.9069.320
Total geral170.972174.563146.866

Nota: (*) Milhares de TU (Tonelada útil tracionada).

Eficiência operacional

A MRS busca continuamente maximizar a sua eficiência operacional, priorizando a segurança e o atendimento às demandas de seus clientes. Nos últimos três anos, as principais iniciativas/investimentos da MRS voltadas para garantia do atendimento do volume contratado com clientes de maneira eficiente e sustentável foram:

Agrícolas: melhoria do nível de serviço em importantes terminais de clientes para ganho de capacidade (rotinas operacionais diárias), aumento do peso médio dos vagões em terminais específicos, aumento da quantidade de vagões por trem, negociação de novos fluxos e realização de testes em outros mercados do agronegócio.

Siderúrgico: mapeamento das oportunidades através de estudos de soluções multimodais em que a ferrovia é mais competitiva. Melhorias no alinhamento do plano de transportes que proporcionaram melhor aproveitamento dos ativos através de aumento de produtividade nos sistemas de carga e descarga.

Mineração: desenvolvimento de novas rotas para escoamento do minério, de forma a minimizar parte do impacto das paralisações de produção em Minas Gerais. Manutenção contínua das ações para aumento da produtividade da operação, como aumento de número de vagões por viagem, aumento do peso médio de carregamento por vagão e redução do ciclo de transporte.

Construção civil: implementação de um modelo de atendimento que reduz as distâncias de atendimento rodoviário. Assim, os centros de distribuição passam a ser abastecidos por ferrovia e a distribuição final é feita pelo transporte rodoviário, gerando competitividade para o cliente.

Gusa para exportação: aumento da capacidade do sistema, através do aumento do tamanho dos trens e da redução do tempo de trânsito.

Contêiner: criação de novas rotas de contêiner, como RJ-BH, BH-SP, retomada da rota RJ-SP, com desenhos logísticos das possibilidades de operação para atendimento personalizado ao cliente.