A MRS

A MRS

Modelo de negócio

O Relato Integrado <IR>, do International Integrated Reporting Council (IIRC), prevê a integração da gestão feita pela empresa entre dos capitais (I) financeiro, (II) manufaturado, (III) intelectual, (IV) humano, (V) social e de relacionamento e (VI) natural.

A companhia utiliza diversos capitais como entradas (inputs) e, por meio de suas atividades, converte-os em produtos (produtos, serviços, subprodutos e resíduos). O modelo de negócios reflete exatamente esse sistema de transformação de insumos, através das atividades empresariais, em produtos e impactos que visam cumprir os propósitos estratégicos da organização e gerar valor a curto, médio e longo prazo.

No infográfico abaixo, são mencionados os principais insumos utilizados pela MRS. Não se pretende fornecer uma lista exaustiva, mas dar luz àqueles que tenham um impacto material sobre a capacidade de a companhia gerar valor a curto, médio e longo prazo.

Modelo de negócio da MRS

Insumo – Capital Natural

Sistema de Gerenciamento Ambiental estruturado, mapeamento de riscos, ações voltadas para a gestão ambiental e monitoramento de indicadores.

Valor Gerado – Capital Natural

Projeto de Reabilitação de Área Degradada, manutenção de Estações de Tratamento de Efluentes Industriais (ETEI), Caixas Separadoras de Água e Óleo (CSAO) e fossas-filtro em locais onde não há disponibilidade de rede pública de tratamento, consumo de energia proveniente de fontes renováveis, treinamento e capacitação de colaboradores e da comunidade sobre ações de preservação ambiental.

Insumo – Capital Financeiro

Recursos financeiros obtidos pelos serviços ferroviários prestados pela MRS.

Valor Gerado – Capital Financeiro

R$ 747,5 milhões investidos em 2019, especialmente em iniciativas para a manutenção da produção e a sustentabilidade do negócio. No ano, o lucro líquido foi de R$ 503,4 milhões, o EBITDA apresentou crescimento de 27,3% frente a 2018, atingindo R$ 1,9 bilhão, e o valor adicionado totalizou R$ 2.210,7 milhões.

Insumo – Capital Social e de Relacionamento

Relacionamento com ANTT, comunidades locais e governos municipais.

Valor Gerado – Capital Social e de Relacionamento

Gestão eficiente dos Contratos de Concessão e de Arrendamento; atuação da MRS nos processos de participação social realizados pelo órgão regulador; ações e investimentos realizados com o objetivo de reduzir os impactos da operação ferroviária e melhorar a convivência da comunidade local com a ferrovia; parcerias com os governos locais na solução de conflitos e apoio social.

Insumo – Capital Humano

5.544 colaboradores próprios.

Valor Gerado – Capital Humano

Mais de 191 mil horas e 31 mil ações de treinamentos destinadas aos colaboradores.

Insumo – Capital Manufaturado

A malha ferroviária da MRS interliga os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, incluindo as minas localizadas no Quadrilátero Ferrífero, maior produtor nacional de minério de ferro. O corredor logístico facilita o transporte e a distribuição de cargas em uma região que concentra metade do PIB brasileiro. O desenvolvimento de locomotivas mais eficientes proporciona melhoria da eficiência energética e da produtividade.

Valor Gerado – Capital Manufaturado

Aumento dos níveis de confiabilidade e de disponibilidade dos ativos, permitindo mais eficiência e otimização das operações ferroviárias. Em 2019, o transit time (indicador que calcula o tempo de transporte da carga, da origem até o destino) do minério de ferro atingiu 19,08 horas, o melhor tempo de toda a série histórica.

Insumo – Capital Intelectual

Desenvolvimento de projetos tecnológicos que melhoram a eficiência energética e potencializam a segurança operacional.

Valor Gerado – Capital Intelectual

Instalação do Sistema Automático de Partida e Parada para otimizar o acionamento e desligamento das locomotivas e melhorar a eficiência energética. Operação baseada no sistema CBTC, que a torna mais segura e produtiva.

Visão de sustentabilidade e criação de valor compartilhado

A preocupação com o desenvolvimento sustentável faz parte das ações cotidianas da MRS e de sua trajetória, tendo em vista a criação de valor e a sustentabilidade de suas operações. A empresa trabalha constantemente em busca da eficiência na operação de transporte de cargas e na gestão eficaz da segurança da sociedade e dos colaboradores.

Nesse sentido, a MRS foi a primeira ferrovia do Brasil a receber uma licença de operação da malha ferrovia do IBAMA e mantém o Sistema de Gestão Ambiental (SGA), buscando auxiliar no planejamento consistente de ações de prevenção, controle e mitigação de impactos ambientais decorrentes das suas atividades, a partir do gerenciamento de riscos e busca pela melhoria contínua da operação ferroviária. O SGA engloba a gestão de distintos processos, que impactam diretamente em temas como resíduos, efluentes, qualidade do ar, processos erosivos, ruídos, recursos hídricos, manejo de flora, atropelamento de fauna, conformidade legal, controle ambiental de obras, mitigação de impactos socioambientais e licenciamento ambiental.

Tendo em vista que as atividades realizadas durante o transporte ferroviário de carga podem gerar acidentes de tipos e magnitudes diversas e que a natureza da carga transportada poderá potencializar o impacto, as atividades de armazenamento, manuseio e transporte ferroviário de cargas da MRS seguem regulamentação específica, além das normas técnicas brasileiras aplicáveis ao setor. Com base na regulamentação e na necessidade de a MRS estar preparada para agir em situações emergenciais de maneira rápida e lógica, a companhia realiza o Estudo de Análise de Riscos, usado como subsídio para a atualização do Programa de Gerenciamento de Riscos e do Plano de Ação de Emergência.

As atividades ferroviárias têm um papel primordial como um elemento impulsionador da economia das cidades por onde passam, por meio da geração de emprego, renda e tributos, bem como pelo escoamento de mercadorias do país, trazendo um importante benefício social. Ao mesmo tempo, há a necessidade de melhorar e ampliar as condições de urbanização e infraestrutura, eliminando ou mitigando conflitos, decorrentes do aumento do fluxo de automóveis e do crescimento das comunidades ao entorno da ferrovia. Por isso, é necessário promover a segurança e o bem-estar da população, bem como estabelecer ações focadas nas comunidades, nos municípios por onde as composições ferroviárias da MRS passam – veja mais em Relacionamento com a Sociedade.